Griots: II Colóquio Culturas Africanas

A segunda edição do Colóquio “Griots” programada para maio deste ano traz novos desafios não apenas envolvendo questões voltadas à literatura africana, como também amplia os debates sobre a importância das mídias em torno da luta contra todo tipo de violência, preconceito e racismo.

O evento levantará questões sobre a convivência humana dentro das perspectivas de vida e as mudanças de comportamentos como consequências da modernidade retratada nas relações humanas.

Segundo a organização o racismo evidencia as consequências da opressão exercida por uma cultura dominante, que atinge as comunidades afrodescendentes de forma cultural, política e psíquica. Nesse sentido, o Griots 2011 chama a atenção sobre a violência excedente que afeta tanto a coletividade quanto a individualidade de cada um.

O programa realizado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN e o Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem do Departamento de Letras dá continuidade ao I Colóquio de Culturas Africanas: Linguagem, Memória e Imaginário que aconteceu em 2009.

Os organizadores preconizam “Se é pela cultura que se dá a criação das fagulhas do imaginário racista, é pelo discurso que ele se estabelece no meio de nós… Muitas vezes discriminação e preconceito também começam dentro da sala de aula: silêncio. Cale-se. Eu sou a voz, você apenas o ouvido, você é o meu não; eu sou o seu sim. E ponto final na lição. Na hora da prova: d’escola a cola que não descola.”

Nessa perspectiva, o evento Griots pretende refletir sobre a linguagem exposta pela violência, preconceito, racismo, como diz a escritora Inocência Mata: “os discursos oficiais são sonhos ritualizados, expressões, estereótipos criminosos com que se pretendiam esconder a realidade e erguer respeitáveis fachadas [das figuras públicas] e terríveis máquinas de guerra, que num espaço de um só dia se desmoronou”.

Comentários encerrados.