Reitor Tomaz Aroldo Santos escreve às mulheres da Unilab

Minhas colegas e meus colegas da Unilab,

8 de Março, Dia Internacional da Mulher.

Das mulheres, múltiplas e diversas nas suas histórias, nas suas condições de vida, classe, nacionalidade; diversas nas suas escolhas e desejos.

Hoje, já na segunda década do novo século, temos – mulheres e também os homens – muito a comemorar: as conquistas históricas do direito ao voto, à educação, à igualdade jurídica, ao trabalho remunerado, à licença maternidade. Resultado de lutas muitas.

Comemoramos as possibilidades de as mulheres se organizarem para reivindicar direitos reprodutivos, para serem reconhecidas como feministas e assim se manifestarem em movimentos sociais.

Comemoramos as políticas públicas implementadas no país nos últimos anos: a Lei Maria da Penha, o Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Lei de regulamentação do trabalho doméstico e tantas outras.

Importante comemorar a significativa presença da mulher na universidade, em todas as áreas das ciências e da cultura.

O ingresso recente das “questões de gênero” na academia possibilitou que igualdade e especificidades femininas sejam explicitadas e compreendidas, subsidiando debates e lutas.

Mas há muito para não se comemorar:

A persistência da violência de gênero; as expressivas desigualdades salariais; a baixa representativa das mulheres no mundo político e nas esferas decisórias dos setores público e privado; a sobrecarga de tarefas domésticas e de cuidados.

O julgo tirano da mídia, impondo um padrão estético único para corpo e para o modo de se vestir e viver. Ao não atingir este padrão, as mulheres são discriminadas, como são discriminadas por comportamentos sexuais que não correspondam ao que o patriarcalismo definiu e manteve por séculos como “corretos” e disto não quer abrir mão.

Por tudo isto, me dirijo, especialmente, às colegas da Unilab.

Parabenizo-as pelas conquistas e expresso meu apoio para as lutas postas e as que estão por vir.

Meu abraço para as estudantes, as técnico-administrativas, as servidoras terceirizadas, as docentes, que correspondem a mais da metade de nossa comunidade.

Muito obrigado pelo dedicado trabalho à construção da Unilab e de um mundo novo.

Tomaz Aroldo da Mota Santos
Reitor pro-tempore da Unilab

Comentários encerrados.