Audiência pública debate “Juventude, Direitos e Violências no Maciço de Baturité”

DESTAQUE AUDIENCIA PUBLICA

Na próxima terça-feira (19), será realizada audiência pública sobre “Juventude, direitos e violências no Maciço de Baturité”, na Unilab, no auditório do Campus da Liberdade, em Redenção/CE, a partir das 14h.

A audiência é uma iniciativa do Projeto Diálogos Urbanos da Unilab e da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, através dos mandatos dos deputados estaduais Elmano de Freitas e Renato Roseno. A audiência pública conta com o apoio do Instituto de Humanidades e Letras (IHL) e do Bacharelado em Humanidades (BHU) da Unilab.

Contando com a presença dos deputados estaduais, foram convidadas as Coordenadorias Estaduais da Juventude e dos Direitos Humanos, a Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social, o Comando do Policiamento na região e representações dos Prefeitos, por meio da Associação dos Municípios do Maciço de Baturité e do Ministério Público Estadual.

Na Unilab, a Coordenação de Políticas Estudantis, o Núcleo de Políticas de Gênero e Sexualidades, o Núcleo de Igualdade Racial e representações dos estudantes irão compor a mesa. Também participam grupos de pesquisa e de extensão e organizações da sociedade civil, apresentando denúncias e trazendo demandas e propostas.

Sobre o tema

Os organizadores da audiência destacam que, nos últimos anos, vários tipos de violência atingem a população do Maciço de Baturité, particularmente a juventude. “Quais são essas violências? Quais suas causas? Como enfrentá-las? É fundamental discutir essa situação, entender o que está acontecendo, avaliar a responsabilidade de cada agente público e de cada segmento social, buscando soluções e construindo propostas para a garantia de direitos e o enfrentamento das violências”, dizem os organizadores.

Destacam ainda o papel que a universidade pode assumir no enfrentamento das violências. “A Universidade assume protagonismo, enquanto espaço de diálogo crítico entre diferentes agentes sociais, buscando pautar politicamente e fundamentar tecnicamente o enfrentamento das violências múltiplas e a construção coletiva de direitos no Maciço de Baturité”, reforçam.

Comentários encerrados.