Unilab realiza a Semana de Ação Mundial com foco na educação pública de qualidade

Mesa de abertura da Semana de Ação Mundial.

Mesa de abertura da Semana de Ação Mundial.

“Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão”. Esta foi uma das citações da obra do mestre Paulo Freire, que além das ideias e ideais estava presente na forma de um boneco ocupando o centro da mesa, durante a abertura da Semana de Ação Mundial, realizada nessa segunda-feira, 31 de maio, no Auditório Administrativo do Campus da Liberdade, em Redenção/CE.

A Semana de Ação Mundial (SAM) é uma iniciativa da Campanha Global pela Educação (CGE) e acontece em mais de 100 países, desde 2003.

A atividade na Unilab foi coordenada pelo Grupo de Pesquisa em Educação e Cooperação Sul-Sul (ELOSS), em parceria com o PIBID, Prodocência, INTESOL, Afrodita, Undime, FEE, Pacto Nacional pelo Forlecimento do Ensino Médio, Universidade Popular de Movimentos Sociais, Instituto de Ciências Exatas e da Natureza, com o apoio da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e SAM 2016. Para as Professoras Jacqueline Freire, Débora Leite, Elcimar Martins e Elisangela André, organizadores da atividade, momentods copmo esses fortalecem o percurso formativo dos estudantes das Licenciaturas, que extrapolam em muito a sala de aula.

Com o tema “Educação Pública de Qualidade: PNE, SNE, CAQi e respeito à diversidade em foco”, a Semana de Ação Mundial na Unilab conseguiu lotar o auditório e reunir diversos atores que compõe o cenário educacional no Estado do Ceará. Haviam estudantes da Escola de Ensino Médio Camilo Brasiliense, estudantes da Unilab das Licenciaturas em CNeM, Matemática, Química, Biologia e Física, professores, pedagogos e pesquisadores.

A estudante de Licenciatura em Física, Mazé Galvão, acompanhada pelo violinista Mateus, soltou a voz e animou o público.

A estudante de Licenciatura em Física, Mazé Galvão, acompanhada pelo violinista Mateus, soltou a voz e animou o público.

Antes das análises de conjuntura e reflexões sobre o momento atual da educação no Brasil, deu-se espaço para as expressões artísticas e culturais. Para aquecer o público contra o frio de uma manhã chuvosa fez-se uma ciranda em que professores e estudantes de mãos dadas serpentearam pelo auditório. Em seguida, a estudante de Licenciatura em Física, Mazé Galvão, acompanhada pelo violinista Mateus, estudante de Engenharia de Energia, soltou a voz e animou o público que cantou junto “Tempo perdido”, do Legião Urbana.

Depois da música, poesia. As estudantes Daniele Nobre e Valdilane Alexandre, da Licenciatura em Química, recitaram juntas o poema de Victoria Santa Cruz, Me gritaram negra, que dizia: “De hoje em diante não quero/alisar meu cabelo/Não quero/E vou rir daqueles,/que por evitar – segundo eles /que por evitar-nos algum dissabor/Chamam aos negros de gente de cor/E de que cor!/NEGRA/E como soa lindo!/NEGRO/E que ritmo tem!/Negro Negro Negro Negro/Negro Negro Negro Negro/Negro Negro Negro Negro/Negro Negro Negro”.

As estudantes Daniela e Valdinali recitando juntas o poema de Victoria Santa Cruz, "Me gritaram negra".

As estudantes Daniela e Valdinali recitando juntas o poema de Victoria Santa Cruz, “Me gritaram negra”.

A educação e a crise no Brasil

Passado o momento artístico-cultural deu-se espaço para as falas de abertura que gravitaram em torno da crise política e financeira que castiga a pátria educadora.

“Diante de uma crise financeira internacional e uma grave crise política no Brasil, que afeta todos nós, não podemos deixar de lutar e acreditar no lema de uma pátria educadora. Pois, não podemos deixar de acreditar que educação é investimento. Com educação de qualidade você economiza em tudo, economiza até em saúde, evitando e prevenindo doenças”, destacou a Diretora do Instituto de Ciências Exatas e da Natureza (ICEN), Lívia Ribeiro.

A Coordenadora Institucional do PIBID, Ana Paula Caiado lembrou que toda crise traz oportunidades. “A atual conjuntura brasileira reforça a ideia de que podemos tirar da crise o que é bom. Porque toda crise traz obrigatoriamente mudanças e temos que estar preparados, mesmo cientes desse momento delicado e de fragilização do cenário educacional”.

Para a Coordenadora Adjunta do Pacto no Ceará, professora Sinara Mota, a ação integrada do ensino superior com a educação básica é fundamental para o fortalecimento e melhoria da qualidade da educação pública, especialmente do Ensino Médio. Desejou que a SAM seja um estímulo a mais para os jovens terem a Unilab como parte de seus projetos de futuro.

Da esquerda à direita: Regivaldo Freires , Clébia Freitas, Rita de Cássia Lima e Ana Paula Caiado.

Da esquerda à direita: Regivaldo Freires , Clébia Freitas, Rita de Cássia Lima e Ana Paula Caiado.

Após as falas de abertura formou-se uma mesa redonda para se debater a educação no Brasil hoje e contou com as presenças da coordenadora da Intersol, Clébia Freitas (Intersol), da Coordenadora do Fórum Cearense de Educação, Rita de Cássia Lima, da professora Ana Paula Caiado, Jeannette Ramos (Coordenadora do Curso de Pedagogia e do Mestrado Interdisciplinar em Humanidades do IHL/Unilab) e do ex-secretário de Educação de Ocara, Regivaldo Freires, atualmente Secretário Executivo da UNDIME e representante daquele entidade, parceira na realização da SAM.

Mais sobre o SAM

No ano de 2016, o tema internacional da SAM é o financiamento da educação. No Brasil, a SAM 2016 acontecerá de 30 a maio a 3 de junho. Assim, o tema será contextualizado com as discussões sobre o monitoramento do segundo ano de implementação do Plano Nacional de Educação (PNE).

O objetivo é sensibilizar a sociedade a fim de que esta possa monitorar as metas e estratégias previstas para o segundo ano do PNE.

Semana de Ação Mundial, realizada nessa segunda-feira, 31 de maio, no Auditório Administrativo do Campus da Liberdade

Semana de Ação Mundial, realizada nessa segunda-feira, 31 de maio, no Auditório Administrativo do Campus da Liberdade.

Por isso, a participação é fundamental e fortalece a ampla rede pela efetivação do direito humano à educação pública, gratuita, equitativa, inclusiva, laica e de qualidade socialmente referenciada para toda criança, adolescente, jovem, adulto e idoso em todo o território nacional.

Comentários encerrados.