Fórum Arte e Cultura apresentou propostas e demandas para ações

Fórum Arte e Cultura da Unilab

No decorrer da programação do II Festival das Culturas, na manhã da quarta-feira (19), aconteceu o Fórum Arte e Cultura na Unilab com apresentações de propostas para a construção do Plano Universitário de Cultura (Plunicult) da instituição e a formação e criação do Conselho de Cultura (Conscult) da Unilab.

Estiveram presentes à reunião, a pró-reitora de Extensão, Arte e Cultura (Proex), Rafaella Pessoa, o coordenador de Arte e Cultura, Marcos Coelho, o gerente de Arte e Cultura da Unilab, Nixon Araújo, o produtor Cultural, Luciano Morais, a coordenadora da Incubadora Tecnológica de Economia Solidária (Intesol), Clebia Freitas, o secretário de Cultura e Turismo de Redenção/CE, Aurênio Alves e os professores do Instituto de Humanidades e Letras (IHL), Rosália Menezes e Ricardo Nascimento, além de estudantes e funcionários.

“Iniciar a discussão das demandas de arte e cultura para subsidiar as atividades posteriores” esta é uma das metas apresentadas pela pro-reitora da Proex, Rafaela Pessoa para então ampliar e conseguir apoio junto às prefeituras da região e outras cidades do Ceará.

O professor e coordenador de arte e cultura, Marcos Coelho iniciou os trabalhos através com a consulta e apresentações de propostas quanto às demandas do tema, como estabelecer o período de vigência do plano, criar uma agenda programa, pensar estratégias de governança colaborativa, captação e gestão de recursos, além da criação e implementação de um glossário da cultura para a realidade da instituição.

Secretário de Cultura e Turismo de Redenção/CE, Aurênio Alves

“Mesmo que atualmente a cultura esteja passando por um momento delicado, precisamos vir para somar”, declarou o secretário de Cultura e Turismo de Redenção/CE, Aurênio Alves. Com interesses semelhantes as propostas do Plano de Cultura da Unilab, o secretário apresentou a proposta do também plano do município e uma possível apresentação em conjunto com a universidade para melhor integrar a comunidade.

Num breve momento, a coordenadora da Incubadora Tecnológica de Economia Solidária (Intesol), Clebia Freitas, expôs o levantamento das ações da incubadora, além de apresentar propostas e novas ideias para implantação no plano de cultura institucional, como propostas quanto aproveitamento interno do potencial artístico dos estudantes já conhecidos, além de promover outras formas de intercâmbio cultural entre os países parceiros e por fim, propôs a realização de uma plenária aberta, articulando todos os territórios e instituições para criação do Fórum. “Vamos pensar juntos o melhor da a arte e cultura da Unilab e comunidade”, declarou a coordenadora.

Clebia Freitas, coordenadora da Intesol

A professora Rafaela afirmou que a proposta de mapeamento dos artistas universitários, o quantitativo dos instrumentos próprios e a necessidade de aquisição foi solicitada pela Reitoria à Proex e já estava em andamento. Segundo ela, estes dados serão mensurados para subsidiar as tomadas de decisões quanto aquisição de um espaço para realização das atividades e guarda dos instrumentos e equipamentos da arte e cultura. “Temos artistas maravilhosos que realizam belíssimas apresentações. Temos que mapeá-los”, afirmou Rafaela.

Outra proposta significativa foi a apresentada pelo professor do IHL, Ricardo Nascimento, responsável pelo grupo de percussão “Unisons”, resultante do projeto de extensão “Performance da Cultura Afrodescendente”, vinculado à Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex), a criação de um curso de graduação de Artes na Unilab. “É uma necessidade de dinamizarmos esta região e agregar chances de aceitação de grande público”, declarou Ricardo.

II Festival das Culturas da Unilab

Plano Universitário de Cultura da Unilab
O Plano de Cultura, planejado pela Proex, visa criar uma agenda de ações programadas em focos de arte e cultura que adentam as demandas do projeto político pedagógico da Unilab, além de identificar as áreas de atuação nos aspectos de produção, pesquisa, ensino e extensão da comunidade acadêmica e das comunidades locais do Maciço de Baturité e do Recôncavo Baiano.

 

Comentários encerrados.