Bacharelado em Humanidades do Campus dos Malês obtém nota máxima em avaliação do MEC

O curso de Bacharelado em Humanidades (BHU) do Campus dos Malês, em São Francisco do Conde/BA, recebeu nota máxima na avaliação do Ministério da Educação (MEC) em parceria com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A classificação foi divulgada hoje (21) e, em uma escala de 1 a 5, o curso de graduação recebeu nota 5, apresentando um perfil excelente de qualidade.

A avaliação de regulação ocorreu de 13 a 16 de agosto, com visitas realizadas no Campus dos Malês. Nesse período, a comissão do MEC analisou relatórios, atas, convênios e outros documentos relacionados às atividades acadêmicas, além dos documentos comprobatórios pessoais dos docentes do curso. A avaliação foi dividada em três dimensões, com seus respectivos itens: 1) Organização didático-pedagógica, com 27 itens examindos; 2) Corpo docente e tutorial, com 20 itens; 3) Infraestrutura, com 22 itens.

“O PPC apresentado busca garantir aos bacharéis em Humanidades formados na Unilab uma estrutura curricular compromissada com a proposta de integração e de cooperação entre o Brasil e os países de língua oficial portuguesa”, aponta o relatório, que observou o compromisso acadêmico e social do Projeto Pedagógico de Curso (PPC). “O curso tem como compromisso fazer do projeto que o orienta um lugar de encontro, no território entendido como quadro de vida, das necessidades teóricas, sistêmica e epistemológica”, acrescenta o relatório.

Para o coordenador do curso de BHU, Pedro Leyva, “essa nota é uma amostra de que estamos trabalhando com sistematicidade, persistência e uma nova epistemologia e metodologia, para abordar os problemas da África, do negro e da globalização. O nosso PPC, fundado em uma perspectiva de construção das ideias das imagens colonizadas a respeito do negro, da sociedade brasileira em um sentido geral, e na relação da África e Brasil, foi avaliado com nota 5”.

A assistência estudantil também foi um dos destaques da avaliação. Os estudantes do Bacharelado em Humanidades da Unilab são atendidos pelo Programa de Assistência Estudantil, administrado e fiscalizado pela Pró-reitoria de Políticas Afirmativas e Estudantis (Propae). O objetivo é garantir o acesso a direitos de assistência para estudantes matriculados em cursos de graduação presencial da Unilab, cujas condições socioeconômicas são insuficientes para a permanência na universidade. Entre os serviços de apoio, os alunos têm acesso ao Restaurante Universitário (RU) e ao Serviço de Atendimento Psicológico (Satepsi).

O corpo docente do curso foi um dos responsáveis pela nota máxima concedida ao curso. Com 100% de doutores, e sendo todos eles de dedicação exclusiva, aproximadamente 38 professores potencializam os processos de ensino-aprendizagem da comunidade estudantil, que anualmente dispõe de 320 vagas. O quantitativo de docentes é aproximado, pois o número se altera sensivelmente a cada semestre.

“Essa nota 5 é a nossa primeira nota máxima. Ela reflete o empenho dos professores, coordenação do curso e dos técnicos, todos eles extremamente alinhados com o projeto da Unilab, e isso foi muito destacado. O Bacharelado é um curso alinhado com a proposta de integração com os países africanos, que trabalha com as questões étnico-raciais. É uma grande vitória também para os alunos. Essa nota é um reflexo da postura deles, que foram muito bem avaliados pela comissão”, destaca a diretora substituta do Campus dos Malês, Fábia Ribeiro.

O diretor do Instituto de Humanidades e Letras, Maurílio Machado, parabenizou os professores e técnicos do campus.”Percebe-se, a partir dessa nota, o quanto o BHU do Campus dos Malês tem conseguido colocar na prática o que está previsto no projeto da Unilab”, ressaltou o professor, fazendo alusão ao relatório do MEC, que apontou que a universidade foca justamente na educação das relações étnico-raciais e para o ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena.

No contexto das políticas institucionais, a comissão observou que elas estão implantadas de maneira excelente. Além disso, há uma excelente coerência em relação ao perfil profissional do egresso, estrutura curricular e contexto educacional. Especificamente em relação à estrutura curricular, foi constatado que ela atende de maneira excelente aos aspectos de flexibilidade, interdisciplinalidade e acessibilidade pedagógica, plenamente compatíveis com a carga horária total do curso.

O relatório também apontou alguns desafios a serem enfrentados pela instituição. “É uma vitória, mas também um grande desafio, porque um dos pontos tocados pelos avaliadores foi a estrutura física do campus, sendo um ponto de fragilidade. Esperamos que, com essa nota 5, consigamos a aceleração das obras do campus, para implantação dos novos cursos, em especial o curso de Ciências Sociais, Relações Internacionais e Medicina”, frizou a diretora Fábia Ribeiro.

Em relação às perspectivas do curso, “a ideia é preservar a qualidade do ensino, continuar incentivando os alunos à continuidade na terminalidade e também os que querem seguir carreira acadêmica. Esse é o início da corrida. O fim da corrida é a cidadania e a descolonização”, completou o coordenador do BHU.

Sobre o Curso

O curso de graduação de Bacharelado em Humanidades tem caráter interdisciplinar e oferece a cada ano letivo, em duas entradas, 320 vagas, em turno integral, com maior concentração de aulas no período noturno. O curso, ofertado na modalidade presencial, tem prazo mínimo de duração de dois anos e máximo de três anos, com carga horária mínima de 2.400 horas e exigência de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Ao todo, o curso tem 394 estudantes matriculados, sendo 68 estrangeiros, oriundos principalmente de Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, São Tomé e Príncipe e Moçambique. Ele conta com aproximadamente 38 docentes, dentre os quais 7 são de outros países.

O PPC do bacharelado se baseia em uma formação pautada por dois ciclos: 1º ciclo formativo da área das ciências humanas (objeto da avaliação); 2º ciclo composto por terminalidades nos cursos de Bacharelado e/ou Licenciatura em Pedagogia e História.

 

Comentários encerrados.