Artemisa Cande Monteiro lança amanhã (23) o livro “Discurso Nacional e Etnicidade em África: O Caso da Guiné-Bissau”

A professora Artemisa Cande Monteiro, lança amanhã (23), a partir das 17h30, no Auditório Didático do Campus da Liberdade, em Redenção/CE, seu livro “Discurso Nacional e Etnicidade em África: O Caso da Guiné-Bissau (1959-1994)”, Editora Appris. Nesta obra, que é uma contribuição ao estudo do nacionalismo e da construção do Estado na África, Monteiro se debruça sobre a experiência da Guiné-Bissau, que declarou sua independência em 1973, após uma guerra de libertação iniciada 10 anos antes. Sua análise, entretanto, ultrapassa em muito esse quadro cronológico um tanto convencional.

Por um lado, a autora busca na longa duração do contato atlântico à colonização efetiva, as linhas de formação de grupos sociais e de construtos identitários na moldagem da complexa sociedade guineense dos anos de 1950 – que se mobilizaria de forma desigual – nem sempre com objetivos convergentes – em torno do nacionalismo africano. Assim, acompanha os dilemas e conflitos que marcaram a constituição do movimento nacionalista armado e, após a independência, do próprio Estado, organizado como um regime socialista de partido único.

Ao analisar o discurso nacional contrastando-o com a etnicidade, a pesquisadora desvela, sob o manto aparentemente homogêneo do discurso oficial da unidade, a multiplicidade de atores sociais, individuais e coletivos atuando dentro do Partido-estado em favor da implementação de suas próprias visões de como haveria de ser a Guiné-Bissau independente.

Sem dúvida, lê-se na apresentação da obra, “Discurso Nacional e Etnicidade em África é um livro indispensável ao leitor interessado em perceber como se constituíram as realidades africanas contemporâneas para além das miragens heroicas, exotizantes ou depreciativas do continente que povoam o senso comum e mesmo os meios de comunicação no Brasil, mas que interessará, também, ao público da Guiné-Bissau e dos demais países africanos de língua oficial portuguesa. Num campo em que muitas das leituras fundamentais têm sido produzidas a partir de fora, este livro se coloca em uma linha de continuidade com uma tradição africana de pesquisa, análise e teorização interna que os leitores dos dois lados do Atlântico precisam ter em conta se quiserem aprofundar seu conhecimento sobre a África atual.”

Sobre a autora

Artemisa Cande Monteiro, natural de Bolama Bijagós/Guiné-Bissau, foi estudante de Programa de Estudantes de Convênio de Graduação (PEC-G) desde 2001. É pesquisadora do Núcleo de Pesquisa sobre Africanidades e Afrodescendência da Universidade Federal do Piauí (IFARADÁ). Foi Membro da Comissão Permanente do Congresso Internacional Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais (2002-2006). Coordenadora da Rede Internacional de Mulheres Africanas na Unilab (RIMA) e pesquisadora sobre Relações raciais, gênero e identidades étnicas.

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Piauí (UFPI/2003) e Licenciatura em Sociologia também pela UFPI, Mestre em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA/2008), Doutora em Ciências Sociais (UFBA/2013).

Comentários encerrados.