Criado o Núcleo de Estudos Africanos, Afro-brasileiros e Indígenas da Unilab

No último dia 07 de outubro de 2020, a Reitoria da Unilab publicou a Portaria nº 425/2020, criando a Coordenação Geral Interina para Implementação do Núcleo de Estudos Africanos, Afrobrasileiros e Indígenas da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Neaabi/Unilab). 

O Neaabi é vinculado à Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex) e, dentre outras atividades, buscar ser mais um espaço de discussão e fortalecimento da missão institucional da Unilab, agregando africanas e africanos, brasileiras e brasileiros, indígenas e quilombolas que compõem a instituição. 

Na última sexta-feira (9), aconteceu a 1ª reunião da equipe da primeira coordenação geral do Neaabi/Unilab, que será sediada no Campus do Malês, em São Francisco do Conde/BA, com a composição das professoras do Instituto de Humanidades de Letras (IHL/Unilab): Claudilene Silva, Eliane Costa Santos e Carla Craice (coordenadora, vice-coordenadora e secretária, respectivamente).

Citando o inciso III, artigo 2º, do Estatuto da Unilab, como um dos seus objetivos institucionais: “promover o estudo das problemáticas sociais, econômicas, políticas, culturais, científicas, tecnológicas e ambientais, visando à equidade e à justiça social”, a diretora do Campus dos Malês/BA, Mírian Sumica, relata que “esse é um dos pilares de sustentação de uma instituição de ensino pública e que se ancora na excelência dos serviços prestados à sociedade. No nosso caso, este é um compromisso ampliado pela nossa missão baseada na solidariedade entre os povos, pelo nosso engajamento em promover reflexões teórico-críticas com potencial transformador para o Brasil e para Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste, contemplando a diversidade sociocultural desses países”.

Dessa forma, o “Neaabi representa o espaço qualificado, que consolida o compromisso da Unilab com sua missão, seus princípios e seus valores. Para nós, do Campus dos Malês, a sede da primeira coordenação do Neaabi é o reconhecimento de um trabalho coletivo e engajado da comunidade Malês para promoção do debate, da excelência acadêmica e da luta por justiça social que vem sendo realizado ao longo de seis anos de presença da nossa universidade na Bahia”, concluiu a professora, doutora em Teoria da Literatura, Mírian Reis.

A construção do Neaabi da Unilab surgiu “a partir de uma discussão junto ao Serviço de Promoção da Igualdade Racial (SEPIR), com um grupo de docentes interessados na criação do Núcleo. Entendemos que integrar a rede regional, nacional e internacional de Núcleos e Centros de Estudos africanos, afro-brasileiros e indígenas e dos povos tradicionais é uma ação que pode fortalecerá a missão institucional da Unilab”, esclareceu a professora e coordenadora do Núcleo, Claudilene Silva.

Outras informações pelo email: (neaabi.unilab@unilab.edu.br).

Comentários encerrados.