Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Aula de campo muda a rotina da sala de aula

Data de publicação  20/06/2011, 00:00
Postagem Atualizada há 9 anos
Saltar para o conteúdo da postagem
Fotos: Rodrigo Azevedo

Sair da rotina da sala de aula, para conhecer a prática da profissão, será um diferencial durante o curso de Agronomia. Já no segundo dia de aula, eles visitaram o Maciço de Baturité que, segundo o coordenador de área, professor Rodrigo Azevedo, forma um mosaico de paisagens agrícolas, ou seja, diferentes formas de uso do espaço. As paisagens revelam as mudanças históricas sofridas na região, como alteração de plantio, de comunidades e outros aspectos da própria natureza.

Durante a aula de campo, os alunos conheceram, pela primeira vez, as paisagens, o solo e a vegetação do Maciço, com um olhar de aprendizagem e curiosidade. Quando a teoria e a prática se complementam, segundo os alunos, tornam o estudo mais fácil. “Ver, tocar, estar presente, fica mais fácil assimilar o que vimos em sala de aula”, conta, entusiasmada, a aluna Keila Ferreira da Silva, 36, que participou da experiência. “O nosso olhar agora é outro”, completou. A intenção da aula era justamente essa, entender a dinâmica dos ecossistemas, bem como aprofundar os conhecimentos sobre paisagens e sistemas agrícolas.


No roteiro, além das paisagens exuberantes, o registro de tudo em câmeras fotográficas e um GPS para garantir a correta indicação do local a ser visitado. Do total de 4.320h de carga horária, 870 horas serão dedicadas à disciplina de práticas agrícolas, o que corresponde a 21% do total de aulas. O objetivo das aulas práticas é conhecer a realidade, a profissão e, acima de tudo, saber o que o agrônomo vai enfrentar no dia a dia no campo.

A ideia é também propor, no final do curso, a partir desse conhecimento, alternativas para os problemas encontrados, explica o professor. “Aos poucos, os alunos vão desvendando a profissão, tomando gosto pela agricultura técnica contextualizada”. O resultado dessa experiência também vai influenciar em sala de aula. “Acho que vai ajudar muito nas disciplinas e, dessa forma, o professor poderá aprofundar mais o conteúdo. Acho que tem sido positivo”, concluiu Azevedo.


Na serra, os alunos já arriscaram um pouco de técnica, fizeram croquis, observação de paisagem, além da análise do tipo de solo. Eles conheceram as diferenças das paisagens da Serra do Maciço entre outros fatores.

Além do coordenador de área, também acompanharam a aula, a coordenadora do curso, professora Albanise Marinho, a professora Fátima Brito e o professor Nildo Silva.

Categoria