Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

CPLP foi tema de palestras da professora Joana Amaral

Data de publicação  20/10/2011, 18:19
Postagem Atualizada há 10 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi o tema de duas palestras ministradas pela professora Joana Amaral, na sexta-feira, dia 14 de outubro, na Unilab. A primeira palestra aconteceu às 10h, no Auditório, voltada para os alunos veteranos. Já na parte da tarde, a partir das 14h, no Anfiteatro, o público foi formado pelos novos estudantes da universidade. Em suas apresentações, Joana Amaral (foto abaixo) falou sobre o conceito de Comunidade e lusofonia, mostrou os objetivos e a história da CPLP.

Criada em 7 de julho de 1996, a CPLP é formada por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe. O oitavo membro, Timor-Leste, integrou-se ao grupo no ano de 2002, data de sua independência. Atualmente, gozam de status de Observador Associado o Senegal, a Guiné Equatorial e as Ilhas Maurício. Mais de cinqüenta organizações da sociedade civil são Observadores Consultivos. Atualmente, a presidência, que é rotatória, está com Angola. Segundo dados da Conferência das Nações Unidas para o Comércio (Unctad) é de cerca de 13 bilhões de dólares o valor do comércio entre os países da CPLP.

Em sua plataforma política, constam os direitos à Democracia, Estabilidade Política, Livre Circulação e o Acordo Ortográfico. Já as temáticas da CPLP incluem os seguintes temas: Agricultura e Segurança Alimentar; Ciência e Tecnologia; Desporto; Educação e Recursos Humanos; Juventude; Meio Ambiente e Energias Renováveis; Migrações; Plano Estratégico para Timor-Leste; Saúde; Telecomunicações e Governo; Eletrônica; Trabalho e Solidariedade Social.

As vertentes vigentes da CPLP incluem a Cooperação Técnica, com a transferência de tecnologia, conhecimentos e experiências, de aplicação prática, em bases não-comerciais; a Cooperação Financeira, através da concessão, em condições privilegiadas, de recursos financeiros de um país para outro, incluindo doações; a Cooperação Científica e Tecnológica, por meio do intercâmbio de informações e de documentação científica e tecnológica, fomento à pesquisa científica, intercâmbio de cientistas, pesquisadores etc; e a Cooperação Educacional, com a formação de recursos humanos por meio de bolsas de estudo, ou disponibilização de vagas em centros de estudo.

Em sua palestra, Joana explicou ainda que o Brasil é representado junto à Comunidade por meio de uma Delegação permanente. “Vários dos desafios africanos não são estranhos ao Brasil, país que ainda comporta muita desigualdade. Contribuir para o desenvolvimento africano, por meio do compartilhamento das soluções que encontramos para nossos próprios problemas, é o objetivo central de nossa cooperação técnica”, afirmou.

Ao final, ela falou sobre a relação entre a Unilab e a CPLP, e do papel da universidade enquanto construção de conhecimento comunitário.

Categoria