Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Juventude ‘à rasca ou lascada’, mas em busca de novas oportunidades

Data de publicação  29/11/2011, 13:57
Postagem Atualizada há 9 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

Juventude, mobilização da juventude contra as condições de precariedade, desemprego para jovens na Europa, especialmente, Portugal e Espanha, e a polissemia da expressão “à rasca”. Estes foram temas dominantes da palestra do sociólogo português José Machado Pais, nesta segunda-feira (28), na abertura da programação do 3º trimestre letivo da Unilab, no Campus da Liberdade, em Redenção, CE.

Sociólogo e Prof. José Machado Pais

Sociólogo e Prof. José Machado Pais

No contexto local, a socióloga e professora Glória Diógenes, da Universidade Federal do Ceará (UFC) adaptou os conceitos do sociólogo português de ‘geração à rasca’ para o regional “é de lascar”, ou “juventude lascada”. Já o professor Paulo Carrano, da Universidade Federal Fluminense (UFF), e moderador da mesa, relacionou o tema à trajetória do curso de Pedagogia da UFF e à importância do estudo da juventude no Brasil.

Profa. Glória Diógenes (UFC)

Professores: José Machado Pais, Paulo Carrano (UFF) e Glória Diógenes (UFC)

Com o título provocativo de “Geração à rasca – jovens em contexto de crise”, José Machado Pais iniciou sua reflexão, mencionando um diálogo com a professora Jacqueline Freire, pró-Reitora de Graduação da Unilab. Ela indagou se o professor conhecia a África. Ele respondeu citando, primeiro, a origem do estilo musicial Fado, que, ontem, havia sido declarado pela Unesco, patrimônio imaterial da Humanidade. “Ou seja, é um cancioneiro de Lisboa, mas também luso-afro-brasileiro”, com origens no Landu ou Lundu, dança e canto de origem africana. E disse para a professora que conhecia Cabo Verde, Moçambique, Guiné-Bissau, Angola, São Tomé e Príncipe e Timor Leste, enfim, em visitas que fez em ‘pensamento’. E acrescentou: “A África está dentro de mim, sem nunca ter lá estado”.

Em seguida, provocou a juventude no pátio do Campus da Liberdade ao introduzir o tema da palestra. Como não é conhecida no Brasil, explicou o significado da expressão “à rasca”, palavra polissêmica que tem diferentes sentidos: excludente e sem valor, em dificuldades; e, outro sentido, refere-se a quem está em aflição, em aperto. Como exemplo, citou as definições mais importantes do filósofo da igreja, Santo Tomas de Aquino: ‘definições reais’, como realidade que se nomeia, são definições de coisas; e ‘definições nominais’, que são definições de palavras, que, no caso da juventude, são nomeações que incorrem em desvios.

Com linguagem direta, ilustrou suas palavras e pensamentos com imagens de praxes (trotes) acadêmicas, da semana acadêmica, e da manifestação de jovens em que um deles é fotografado com a bunda de fora. “Há diferentes atitudes como a das mulheres na Catalunha, na Espanha, que mostram a genitália ao mar, durante a faina da pesca, por exemplo. Mas, homem ficar com o traseiro à mostra, não é comum. Então, como interpretar isso?”, e continuou refletindo acerca da dicotomia da bunda e da cara. “Como interpretar o descaramento da bunda? Os jovens riem ao verem este documentário, que é um embate cultural. E a bunda é a provocação”, disse Machado Pais, que exibiu fotos com cartazes de diferentes manifestações relacionadas às gerações à rasca, de jovens, mães e homens, como apoio transgeracional, além de crítica política, a desilusão, frustração, liberdade e mudança etc.

Abertura

Mesa de Abertura: Paulo Carrano, José Machado Pais, Jacqueline Freire, Glória Diógenes, Stela Meneghel e Faustino Manuel

A mesa de abertura foi composta pelas professoras Jacqueline Freire, pró-reitora de Graduação, que fez a saudação aos presentes em nome do reitor Paulo Speller, Stela Meneghel, pró-reitora de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão, do professor e palestrante, José Machado Dias, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, do professor Paulo Carrano, da UFF, da professora Glória Diógenes, e do estudante Faustino Manuel Rodrigues, representando os estudantes e os Centros Acadêmicos da Unilab. Entre os participantes, vale registrar a presença de estudantes de Sociologia, da UFC.

Faustino

Faustino Manuel – representou os CAs

No final da solenidade, o professor José Machado Pais fez a doação de livros de sua autoria para a Biblioteca da Unilab, para os Centros Acadêmicos e para professores. O professora Glória Diógenes também doou exemplares de seus livros.

Prof. José Machado Pais faz doação aos professores da Unilab

 

Jefferson representando a BU Unilab

Profa. Glória Diógenes entrega livro ao estudante Faustino

Turma de Sociologia UFC na palestra Unilab

 

Categoria