Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Unilab recebe novos estudantes caboverdianos

Data de publicação  05/06/2012, 10:01
Postagem Atualizada há 9 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

Acolhida dos estudantes caboverdianos no Aeroporto de Fortaleza

No próximo dia 18 de junho, a Unilab recebe os calouros para a primeira entrada de 2012. Eles são representantes de diferentes cidades do Brasil e do Timor-Leste e de países africanos. Para fazer parte do cotidiano da Universidade, os novos alunos começam a chegar, como é o caso dos caboverdianos, que desembarcaram no Aeroporto Internacional de Fortaleza na noite do último dia 31 de maio.

Novos estudantes de Cabo-Verde chegam à Unilab

Os 12 representantes de Cabo-Verde, sendo seis homens e seis mulheres, chegaram a Redenção com grandes expectativas e sonhos a serem realizados a partir das experiências na Unilab. Concluir o Ensino Superior, estudar em um país em desenvolvimento, além de aprender a língua portuguesa e ter intercâmbio com outros países são alguns dos objetivos apresentados.

Elson Santos

Elson Santos, 25 anos, vai começar o curso de Engenharia de Energias. “É uma boa oportunidade para todo mundo. Às vezes, sai mais caro estudar em outra ilha do país do que vir para o Brasil. Além disso, aqui é um país referência para o conhecimento científico e tecnológico”, explicou o estudante, que se considera como um dos mais velhos do grupo.

Domingos Antônio da Luz

Na verdade, o mais experiente dentre os recém-chegados é o Domingos Antônio da Luz, 47 anos, que vai cursar Ciências Humanas. “Não foi uma decisão fácil, ainda preciso resolver alguns problemas no meu país, mas não tenho problemas por estar em um grupo mais jovem, até porque no meu trabalho eu convivo com pessoas dessa idade”, destacou o estudante que já atua na área de Ciências da Educação em Cabo-Verde.

Raul Ferreira

Sobre a acolhida dos caboverdianos no aeroporto de Fortaleza, Raul Ferreira, 21 anos, que vai iniciar o curso de Administração Pública na Unilab, revelou: “melhor impossível, os brasileiros são muito acolhedores. Por enquanto, a saudade ainda não bateu”.

Eliane de Carvalho

Falando em saudade, a aluna Eliane de Carvalho disse que sente falta de vez em quando, principalmente da irmã mais nova. “Sempre estudamos juntas. Espero que ela também tenha a oportunidade de vir estudar aqui”, destacou.

Jandira de Brito

Jandira de Brito, 19 anos, inscrita no curso de Administração Pública, avaliou que um dos seus grandes desafio é aprender a falar fluente o português. “Gosto do português, mas não sei muito bem. Quero melhorar o meu nível”, disse a estudante que viu a candidatura para ingressar na Unilab pela televisão.

João Domingos e Carlos Santos

Carlos Santos, 23 anos, e João Domingos Semedo, 23 anos, são os únicos que já se conheciam antes de chegar ao Brasil. “Nós fazemos um trabalho voluntário com crianças na Cidade Velha, na Ilha de Santiago”, comentou João. Segunda o aluno, ele pretende terminar os estudos com nenhuma disciplina em falta. Carlos destacou que está muito satisfeito em estar no Brasil. “Quando eu soube que fui selecionado, foi um dos momentos mais felizes da minha vida, foi inesquecível”, revelou.

Projeto Travessia

A acolhida foi feita pelos estudantes da Unilab, com a presença dos conterrâneos de Cabo-Verde, e pela equipe da Prograd e da CAE, que desenvolve ações que vão desde os momentos antes da partida do país de origem até a chegada e adaptação à rotina da Universidade. A equipe acompanha o aluno dando orientações sobre a cidade como, moradia, infraestrutura e alimentação, além de ajudar no processo de legalização de permanência.

Chamado de Travessia, o projeto busca realizar este acolhimento mais humanizado durante o período de adaptação, como uma forma de contribuir para que estudantes se sentirem mais seguros e bem recebidos no Brasil.

Coordenador de Assuntos Estudantis, José Veríssimo

José Veríssimo, coordenador de Assuntos Estudantis, acredita que “esta acolhida é uma maneira deles se sentirem bem. Essa é a base para uma aprendizagem significativa e a permanência do estudante na Universidade”.

Categoria