Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Lançado livro: “Desafios Contemporâneos da África”

Data de publicação  27/06/2012, 09:55
Postagem Atualizada há 9 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

Este livro, constituído de um conjunto de artigos escritos pelos principais especialistas na obra de Amilcar Cabral, é um convite à reflexão sobre a complexa situação do continente africano. Mas por que voltar ao pensador e revolucionário morto em 1973? A resposta está na importância de sua obra, a qual abre caminhos para compreender a situação atual da África, que se livrou do colonialismo, mas mergulhou em infindáveis lutas armadas sem ideologia que não podem dar respostas a seus problemas políticos, sociais e econômicos. “É justamente esta a razão pela qual é tão oportuno que aqueles que admiram Cabral paguem a ele o tributo de se aprofundar na difícil trilha da compreensão dos fenômenos atuais”, escreve o guineense Carlos Lopes, organizador deste livro.

Tal compreensão passa pela obra desse pensador, considerado um dos mais inovadores e criativos já nascidos na África e um herói da emancipação do continente – Cabral foi fundador e líder do movimento de independência na Guiné-Bissau e Cabo Verde e um ativo participante da luta armada contra o colonialismo português nos anos 1970.

Cada um dos artigos reunidos neste livro reflete um ângulo diferente da obra do pensador. A apresentação, escrita por Peter Karibe Mendy, enfoca a situação da Guiné-Bissau colônia, que levou Cabral e seus camaradas a ingressarem na luta armada pela libertação dos guineenses e também dos cabo-verdianos. AlexisWick, Lars Rudebeck e Ibrahim Abdullah falam de sua originalidade ao tratar conceitos complexos com simplicidade e pragmatismo. Georges Nzongola-Ntalaja, John Fobajong e Carlos Lopes concentram-se na relevância das formulações de Cabral para a compreensão de dilemas persistentes, como a construção do Estado, o pan-africanismo e as dimensões éticas. Já Abebe Zegeye aborda as ideias do intelectual sobre cultura num texto sobre sua influência na literatura africana.

Esta obra é, enfim, uma grande fonte de informações sobre o pensamento e a personalidade de Amílcar Cabral, que contribuiu de modo expressivo e definitivo para o processo que culminaria na independência das colônias portuguesas na África e representa uma chave para a compreensão daquele continente nos dias atuais.

Amilcar Cabral

Amilcar Cabral

Oriundo de Cabo Verde, Cabral estudou agronomia em Portugal. Funcionário na Guiné Portuguesa desde 1952, em 1956 fundou o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). No ano de 1963, iniciou com seu partido a luta armada contra a potência colonial, Portugal, na Guiné Portuguesa. Cabral, assassinado em 1973, é considerado o teórico marxista mais destacado da revolução da África negra. Após a proclamação da independência da Guiné-Bissau em 1973, seu meio-irmão Luís de Almeida Cabral foi designado primeiro presidente do país (derrubado em 1980).

Sobre o organizador do livro

Carlos Lopes, organizador do livro

Carlos Lopes foi diretor político do ex-secretário geral da Onu Kofi Anann, é sub-secretário geral da Onu desde 2006 e assume em julho os cargos de secretário geral adjunto e secretário executivo da Comissão Econômica para a África da entidade. É autor também dos livros “Cooperação e Desenvolvimento Humano” e “Desenvolvimento para Céticos”, publicados pela Editora Unesp.

Categoria