Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Palestras, oficinas e minicursos movimentam a I Semana Universitária

Data de publicação  10/10/2014, 17:56
Postagem Atualizada há 7 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

DSC02288

Palestras e diversas oficinas e minicursos ocorrem como parte da programação da I Semana Universitária da Unilab, realizada entre os dias 9 e 11 no Ceará, Campus da Liberdade (Redenção) e Unidade Acadêmica dos Palmares (Acarape), e nos dias 10 e 11 na Bahia (São Francisco do Conde), no campus dos Malês.

As temáticas dão conta da diversidade de pesquisas desenvolvidas na universidade, indo desde os debates sobre cultura africana, identidade e etnias, economia solidária e agricultura familiar, à semiótica, educação a distância, plantas medicinais e materiais alternativos em aulas de química e biologia, para citar alguns exemplos.

Nesta sexta-feira (10), o professor da Unilab, Luís Tomás Domingos, ministrou o minicurso “Filosofia e Cosmovisão Africana”. Para uma sala lotada, o antropólogo falou sobre a visão de mundo dos africanos, que envolve outras percepções de tempo e espaço, trajetórias de vida, relações sociais que buscam uma vida sem subordinações e noções diversas das europeias acerca das divisões do tempo como passado, presente e futuro.

“Para o africano, a vida humana em todas as suas manifestações real e imaginária é uma mecânica que une todo o Universo. A vida não é uma linha reta, mas uma roda que está sempre girando; quem não gira está doente”, afirmou.

Também a professora Clébia Freitas ministrou disputada oficina, com o tema “Agricultura familiar e as finanças solidárias”. Conceitos como Empreendedorismo, Capitalismo, Trabalho, Pobreza e Socioeconomia Solidária nortearam o debate.

“A economia solidária surgiu na década de 1970 e no Brasil se fortaleceu nos anos 1990, com ONGs e movimentos sociais buscando cooperação e humanização nas relações de produção e consumo, por uma sociedade mais justa e ecologicamente equilibrada. O que muda é a nossa relação com o dinheiro. No Capitalismo, o dinheiro gera individualismo e divisão de classes, na economia solidária não há essa divisão, há uma casa de todos, o planeta, onde o ser humano interage com outros seres vivos numa relação equilibrada”, explica.

Já o minicurso “Nzinga Cultura, Capoeira e Gênero”, facilitado pela professora Violeta Holanda, trabalhou questões de gênero com a comunidade. O projeto de extensão “Nzinga” (nome de uma rainha de um reino da Angola que modificou as relações de gênero), em execução há três meses, articulou-se com a Associação Cultural Arte e Movimento, trazendo crianças, adolescentes e adultos para a universidade, onde abriram a roda de capoeira e debateram os problemas enfrentados pelas mulheres, como a violência doméstica.

“Foi um momento muito importante porque a gente se aproxima mais da comunidade e muitos já estavam falando que queriam vir estudar na Unilab”, comemora Violeta.

Professora de capoeira, membro da associação e organizadora dos Encontros Femininos do Maciço, Ana Cláudia Semião destaca a importância de espaços de debate, principalmente com as adolescentes. “A gente sempre pauta isso na associação. Peço a elas que não deixem ir à capoeira por conta do companheiro que se opõe”, disse.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Palestras

Professor Roberto Leher (UFRJ) defende universidade pública engajada.

Professor Roberto Leher (UFRJ) defende universidade pública engajada.

Na sexta-feira (10), o campus da Liberdade, em Redenção/CE, recebeu o professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher, que proferiu a palestra “Função social da universidade: desafios epistemológicos para forjar uma universidade crítica”. Com pesquisas na linha “Políticas e Instituições Educacionais” e colaborador da Escola Nacional Florestan Fernandes, Leher defende uma universidade pública que fomente a criatividade em oposição ao pensamento conservador e busque soluções inventivas para os problemas sociais.

Também no dia 10, no campus dos Malês, em São Francisco do Conde/BA, a professora Sandra Petit, da Universidade Federal do Ceará (UFC), deu a palestra “Encontro de culturas e a integração ensino-pesquisa-extensão: desafios e possibilidades da descolonização da Universidade”, que vai ao encontro do debate em prol de uma universidade mais crítica, autônoma e voltada para a sociedade.

No sábado (11), foi a vez do professor Daniel Mill, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). A palestra, intitulada “Pensar e fazer EaD de qualidade: a pesquisa como estratégia”, ocorreu em Redenção e foi transmitida também no campus dos Malês, por videoconferência. O pesquisador afirma que a educação a distância está em acelerada expansão, porém, ainda necessita de mais estudos e pesquisas.

Já a professora Thais Joi Martins, também da UFSCar, proferiu a palestra “As elites negras: um estudo de caso no interior de São Paulo”, no campus dos Malês, no sábado. A pesquisadora reflete sobre a identidade e a trajetória de alguns profissionais liberais e empresários negros do Oeste Paulista, observando como ressignificaram suas identidades ao ocuparem posições importantes no mercado de trabalho e adquirirem mobilidade social e econômica.

Professora Sandra Petit deu palestra no Campus dos Malês/BA.

Professora Sandra Petit deu palestra no Campus dos Malês/BA.

Pesquisador da UFSCar, Daniel Mill reforça a necessidade de estudar a Educação a Distância.

Pesquisador da UFSCar, Daniel Mill reforça a necessidade de estudar a Educação a Distância.

Categorias