Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Professora da Unilab tem projeto de pesquisa aprovado em edital da Fundação Carlos Chagas

Data de publicação  04/08/2016, 16:35
Postagem Atualizada há 5 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

profa vera rodrigues

A professora do Instituto de Humanidades e Letras (IHL) da Unilab, Vera Rodrigues, teve o projeto de pesquisa “Trajetórias Negras e Ações Afirmativas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul” aprovado no edital “Negros e Negras nas Ciências”, realizado pela Fundação Carlos Chagas (SP), com apoio da Fundação Ford (USA).

“A aprovação do nosso projeto de pesquisa evidencia a produção de conhecimento e protagonismo da Unilab no cenário acadêmico de pesquisas de porte. A Fundação Carlos Chagas recebeu 75 projetos. Destes, 66 foram avaliados e somente 5, dentre eles o nosso, foram contemplados. Isso, me parece revelador do potencial que a nossa universidade agrega”, sublinha a professora. Ela acrescenta ainda que o projeto conta com a co-autoria de uma pesquisadora brasileira sediada em uma universidade estrangeira, a professora doutora Luanda Sito, da Universidade de Antioquia/Colômbia, o que abre canais de diálogo e espaços de cooperação na perspectiva da diáspora afrolatina, já que o projeto prevê desdobramentos futuros em nível internacional.

Vera Rodrigues explica que o projeto tem como proposta analisar experiências de boas práticas voltadas tanto para atrair e qualificar jovens negros e negras nas áreas das Ciências Exatas, Biológicas, da Saúde e Tecnológicas, quanto para fomentar sua participação em ações de pesquisa na graduação e pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). “O projeto visa contribuir para a consolidação de dados qualitativos, ao identificar como universitários negras e negros participam no campo das ciências. Contemplando o aspecto subjetivo das políticas públicas, a proposta de pesquisa tem o propósito de contribuir na seara dos estudos sobre ações afirmativas e desigualdades raciais no ensino superior, a partir de uma leitura discursiva e antropológica”, destaca.

A intenção é analisar as trajetórias de universitários negros(as) da UFRGS nas áreas de exatas, tecnológicas e saúde, egressos de cursos de pré-vestibulares populares, ou seja, cursos que se configuram pelo voluntariado, gratuidade e recorte de raça/cor e/ou classe social. Estes cursos, explica a professora, preparam jovens negros(as) e pobres para ingressar no ensino superior, especialmente a universidade pública.

A pesquisa será desenvolvida em duas fases: levantamento de dados sobre os processos de constituição sócio-histórica dos referidos cursos com base em análise documental e entrevistas semi-estruturadas com os sujeitos participantes; e análise da representatividade estudantil negra na UFRGS, a partir de entrevistas com integrantes dos órgãos de acompanhamento das políticas de ação afirmativa na universidade e realização de grupo focal com universitários(as) autodeclarados negros(as).

BOTAO AVALIE

Categorias