Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Oralidades em língua portuguesa são mote de relatos na XII Bienal Internacional do Livro do Ceará

Data de publicação  21/04/2017, 16:33
Postagem Atualizada há 4 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

O Encontro Oralidades e Escritas em Língua Portuguesa: relatos em língua portuguesa reuniu, nesta quinta-feira (20), na XII Bienal Internacional do Livro do Ceará, pessoas com forte história de vida. Rosalina Semedo (Cabo Verde), Geraldo Amâncio (Brasil), Tony Tcheka (Guiné-Bissau), Carlos Subuhana (Moçambique) e Brígida da Silva (Timor-Leste) compartilharam com o público o lugar afetivo e histórico das oralidades em língua portuguesa em suas trajetórias de vida, sob a mediação do escritor guineense Manuel Casqueiro.

Manuel Casqueiro ressaltou que há várias línguas portuguesas, “cada povo misturou sua língua nativa ao português”. Destacou ainda a importância de encontros como este para atualizar os africanos da diáspora, onde se inclui, sobre o que vem sendo produzido no país. “Infelizmente, pouco chega ao Brasil da literatura de Guiné”, lamentou.

O poeta e violeiro Geraldo Amâncio.

O poeta, violeiro e escritor Geraldo Amâncio, homenageado nesta edição da bienal, contou sobre a história da cantoria, desde os árabes, passando pela Idade Média, ao começo no Brasil, muito ligado a intelectuais. “Incrivelmente, a métrica é a mesma até no Oriente, onde também pesquisei”, disse.

O sociólogo moçambicano e professor da Unilab, Carlos Subuhana, relembrou a infância e adolescência em seu país, em uma sociedade considerada matrilinear, com a figura forte da avó. “Depois de terminar os estudos, minha avó disse que eu já sabia escrever, mas precisava quem nós éramos, então fui para 30 dias de iniciação e lá eram histórias contadas e interpretadas. Depois disso a palavra oral sempre esteve presente na minha vida; tive a formação acadêmica, mas conciliei o mundo local e o ocidental, a oralidade e a escrita”, revela. Ponderou ainda que Moçambique passou por um período refratário à tradição e oralidade, logo após a independência, na década de 1970, mas hoje a tradição teria reencontrado seu lugar, sendo vista como algo importante.

Brígida da Silva, professora, homenageada e medalhada como veterana da libertação do Timor-Leste, fala seis idiomas e considera o português a língua da resistência em seu país. “A língua portuguesa é a língua histórica e afetiva em que se escreveram todos os processos da luta e resistência. Os indonésios não a conheciam, então se um bilhete da resistência caísse nas mãos deles teriam que ir procurar algum timorense para traduzir, e geralmente traduziam errado, dando tempo para que a gente fugisse”, conta. Brígida lembra ainda que o português foi proibido durante a ocupação da Indonésia (1975-1999) e ela precisou esconder os dois livros nessa língua que ainda tinha, herança do pai, assassino em um massacre por tropas indonésias.

A timorense Brígada da Silva, veterana da independência, conta sua história de afetividade com a língua portuguesa.

A cabo-verdiana e professora da Unilab, Rosalina Semedo, trouxe o conto “Tio lobo e o Xibinho e questionou: “Qual o propósito da oralidade para as crianças? Nós transmitimos valores pela oralidade, uma comunidade inteira se engaja nisso”. Ponderou ainda que Cabo Verde fala duas línguas, o português e o crioulo, esta última se configurando como língua de resistência. “O português é o oficial, mas não é a mais falada. A língua da oralidade é o crioulo. Eu penso na força da oralidade e seus objetivos”, disse.

O escritor guineense Tony Tcheka considera que a partir da oralidade é que se diz a verdade. Veterano das guerras pela independência de seu país, lembrou uma delas, que durou onze meses, e o recurso da comunidade para se “distrair” da realidade era contar histórias. “A oralidade não é um entrave, é uma ponte. São coisas que definem todo um sentimento, uma maneira de estar no mundo”, sublinhou.

Autoridades

Da esquerda para a direita: o reitor da Unilab, Anastácio de Queiroz, a pró-reitora de Extensão, Rafaella Pessoa, e o secretário de Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba.

O reitor da Unilab, Anastácio Queiroz, a pró-reitora de Extensão, Arte e Cultura, Rafaella Pessoa, e o secretário de Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba, saudaram o público no início do evento.

Rafaella Pessoa destacou a satisfação em ter a Unilab como parceira da bienal, lembrando que a parceiria se desenhou em julho do ano passado, durante o I Festival das Culturas da Unilab. Aproveitando a ocasião, a pró-reitora lembrou que os eventos preparativos para a segunda edição do festival tiveram início com a bienal fora da bienal.

O secretário de Cultura concatenou o tema da bienal, “Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca” a um conhecido provérbio africano que diz “Quando um homem morre é como se uma biblioteca inteira se incendiasse” e lembrou do debate em que conheceu o estudante da Unilab, Rubilson, durante a Conferência da Juventude. “Rubilson trouxe à tona este provérbio e ele tinha tudo a ver com o tema da bienal, que já estava sendo trabalhado”, disse.

O reitor da Unilab afirmou que a bienal deve se configurar como uma oportunidade para incentivar professores e estudantes a escreverem sobre a história e cultura do Maciço de Baturité, onde a universidade se instala. “É uma região muito rica e tem muito a ser dito sobre. O que não está escrito acaba sendo como se não tivesse existido, é preciso contar essa história”, declarou.

Categorias