Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Mostra de danças africanas e afro-brasileiras marca o último dia do II Festival das Culturas

Data de publicação  21/07/2017, 20:19
Postagem Atualizada há 4 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

 

O dia de encerramento do II Festival das Culturas tem sido repleto de atrações e muita musicalidade. Da canção popular como abertura para a filosofia aos vários estilos de dança, quem passou pelo Campus dos Malês, em São Francisco do Conde/BA, sentiu o ritmo envolvente da mistura de culturas e saberes. E foi a “Mostra PB-Art/PIBEAC – Danças africanas e afro-brasileiras” um dos destaques do quarto dia de evento, com vários ritmos e culturas representadas. Fruto do Projeto de Extensão coordenado pelo professor Márcio André, a Mostra atraiu tanto a comunidade acadêmica, quanto os alunos da Escola Militar da Bahia em Candeias, da Escola Estadual Martinho Sales Brasil, em São Francisco do Conde, e servidores da Unilab — todos reunidos nas dependências da universidade.

Mostra de danças africanas e afro-brasileiras | Foto: Assecom

Para Laíssa Sobral, estudante do Bacharelado em Humanidades da Unilab e instrutora de jongo e puíta, “é sensacional passar para a comunidade o aprendizado de dança que tivemos no grupo de extensão”. Rafaela dos Santos, também instrutora do grupo de dança da universidade, completou “eu tinha outra visão da África quando cheguei aqui. Com a Unilab eu passei a conhecer outro mundo e mudei minha concepção”.

Apresentados aos ritmos africanos e afro-brasileiros, os alunos da Escola Militar da Bahia em Candeias se renderam à dança. De acordo com Núbia Bispo, Cabo PM que acompanhou a turma, mais de 50 estudantes estiveram presentes, envolvidos nas oficinas ministradas na manhã desta sexta (21).

Oficina de Língua Árabe | Foto: Assecom

A integração também tomou conta da Oficina de Língua Árabe, ministrada por Abdulai Djabi. Com previsão para 30 vagas, o público ultrapassou as expectativas. Em paralelo, a Oficina “Canção popular como abertura para a filosofia: pensando com a Legião Urbana e os Engenheiros do Hawaii”, sob a coordenação do professor Marcos Carvalho e do Grupo Bota a Fala, e a Oficina de Web Documentários, ministrada por Laís Pinho, de Santo Amaro, dividiram a atenção dos participantes.

Cris e Sérgio Pita, de Candeias | Foto: Assecom

Entre um turno e outro, o Palco Encontro reuniu muita música e dança, a exemplo da participação de Maculelé, Puxada de Rede e Terno de Reis, de Maria das Graças Celestino, de Candeias, e Cris e Sérgio Pita, da mesma cidade.

À tarde, cinco oficinas foram ministradas à comunidade: Oficina de Língua Francesa, por Abdulai Djabi e Nemésio Sá, Oficina de Língua Crioulo, por Marcos Vinicius e Cátia Manuel, Oficina de Produção Textual, por Fausto Antônio, Oficina intitulada “Eu Corpo, nossas artes, nossas armas”, por Denilson Santos e Icaro Stos e Oficina prática de doces e salgados. Além delas, um debate sobre a temática “Somos todos feministas” atraiu homens e mulheres.

Oficina prática de doces e salgados | Foto: Assecom

Logo mais, a programação continua e promete levantar o público. Às 17h30, tem início o II Forró da Integração, além da apresentação dos campeões do Concurso de Novos Talentos Musicais de Candeias e da música com Zé Araújo, da Unilab. Também são esperados Nara Couto, com participação especial de Tia Má, de Salvador, e a Mostra PB-ART “Coral da Integração Unilab”.

Categorias