Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Bacharelado em Humanidades do Campus dos Malês obtém nota máxima em avaliação do MEC

Data de publicação  21/08/2017, 15:19
Postagem Atualizada há 4 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

O curso de Bacharelado em Humanidades (BHU) do Campus dos Malês, em São Francisco do Conde/BA, recebeu nota máxima na avaliação do Ministério da Educação (MEC) em parceria com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A classificação foi divulgada hoje (21) e, em uma escala de 1 a 5, o curso de graduação recebeu nota 5, apresentando um perfil excelente de qualidade.

A avaliação de regulação ocorreu de 13 a 16 de agosto, com visitas realizadas no Campus dos Malês. Nesse período, a comissão do MEC analisou relatórios, atas, convênios e outros documentos relacionados às atividades acadêmicas, além dos documentos comprobatórios pessoais dos docentes do curso. A avaliação foi dividada em três dimensões, com seus respectivos itens: 1) Organização didático-pedagógica, com 27 itens examindos; 2) Corpo docente e tutorial, com 20 itens; 3) Infraestrutura, com 22 itens.

“O PPC apresentado busca garantir aos bacharéis em Humanidades formados na Unilab uma estrutura curricular compromissada com a proposta de integração e de cooperação entre o Brasil e os países de língua oficial portuguesa”, aponta o relatório, que observou o compromisso acadêmico e social do Projeto Pedagógico de Curso (PPC). “O curso tem como compromisso fazer do projeto que o orienta um lugar de encontro, no território entendido como quadro de vida, das necessidades teóricas, sistêmica e epistemológica”, acrescenta o relatório.

Para o coordenador do curso de BHU, Pedro Leyva, “essa nota é uma amostra de que estamos trabalhando com sistematicidade, persistência e uma nova epistemologia e metodologia, para abordar os problemas da África, do negro e da globalização. O nosso PPC, fundado em uma perspectiva de construção das ideias das imagens colonizadas a respeito do negro, da sociedade brasileira em um sentido geral, e na relação da África e Brasil, foi avaliado com nota 5”.

A assistência estudantil também foi um dos destaques da avaliação. Os estudantes do Bacharelado em Humanidades da Unilab são atendidos pelo Programa de Assistência Estudantil, administrado e fiscalizado pela Pró-reitoria de Políticas Afirmativas e Estudantis (Propae). O objetivo é garantir o acesso a direitos de assistência para estudantes matriculados em cursos de graduação presencial da Unilab, cujas condições socioeconômicas são insuficientes para a permanência na universidade. Entre os serviços de apoio, os alunos têm acesso ao Restaurante Universitário (RU) e ao Serviço de Atendimento Psicológico (Satepsi).

O corpo docente do curso foi um dos responsáveis pela nota máxima concedida ao curso. Com 100% de doutores, e sendo todos eles de dedicação exclusiva, aproximadamente 38 professores potencializam os processos de ensino-aprendizagem da comunidade estudantil, que anualmente dispõe de 320 vagas. O quantitativo de docentes é aproximado, pois o número se altera sensivelmente a cada semestre.

“Essa nota 5 é a nossa primeira nota máxima. Ela reflete o empenho dos professores, coordenação do curso e dos técnicos, todos eles extremamente alinhados com o projeto da Unilab, e isso foi muito destacado. O Bacharelado é um curso alinhado com a proposta de integração com os países africanos, que trabalha com as questões étnico-raciais. É uma grande vitória também para os alunos. Essa nota é um reflexo da postura deles, que foram muito bem avaliados pela comissão”, destaca a diretora substituta do Campus dos Malês, Fábia Ribeiro.

O diretor do Instituto de Humanidades e Letras, Maurílio Machado, parabenizou os professores e técnicos do campus.”Percebe-se, a partir dessa nota, o quanto o BHU do Campus dos Malês tem conseguido colocar na prática o que está previsto no projeto da Unilab”, ressaltou o professor, fazendo alusão ao relatório do MEC, que apontou que a universidade foca justamente na educação das relações étnico-raciais e para o ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena.

No contexto das políticas institucionais, a comissão observou que elas estão implantadas de maneira excelente. Além disso, há uma excelente coerência em relação ao perfil profissional do egresso, estrutura curricular e contexto educacional. Especificamente em relação à estrutura curricular, foi constatado que ela atende de maneira excelente aos aspectos de flexibilidade, interdisciplinalidade e acessibilidade pedagógica, plenamente compatíveis com a carga horária total do curso.

O relatório também apontou alguns desafios a serem enfrentados pela instituição. “É uma vitória, mas também um grande desafio, porque um dos pontos tocados pelos avaliadores foi a estrutura física do campus, sendo um ponto de fragilidade. Esperamos que, com essa nota 5, consigamos a aceleração das obras do campus, para implantação dos novos cursos, em especial o curso de Ciências Sociais, Relações Internacionais e Medicina”, frizou a diretora Fábia Ribeiro.

Em relação às perspectivas do curso, “a ideia é preservar a qualidade do ensino, continuar incentivando os alunos à continuidade na terminalidade e também os que querem seguir carreira acadêmica. Esse é o início da corrida. O fim da corrida é a cidadania e a descolonização”, completou o coordenador do BHU.

Sobre o Curso

O curso de graduação de Bacharelado em Humanidades tem caráter interdisciplinar e oferece a cada ano letivo, em duas entradas, 320 vagas, em turno integral, com maior concentração de aulas no período noturno. O curso, ofertado na modalidade presencial, tem prazo mínimo de duração de dois anos e máximo de três anos, com carga horária mínima de 2.400 horas e exigência de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Ao todo, o curso tem 394 estudantes matriculados, sendo 68 estrangeiros, oriundos principalmente de Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, São Tomé e Príncipe e Moçambique. Ele conta com aproximadamente 38 docentes, dentre os quais 7 são de outros países.

O PPC do bacharelado se baseia em uma formação pautada por dois ciclos: 1º ciclo formativo da área das ciências humanas (objeto da avaliação); 2º ciclo composto por terminalidades nos cursos de Bacharelado e/ou Licenciatura em Pedagogia e História.

 

Categorias