Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Balanço da VIII Semana Universitária apresenta números positivos, diversidade temática e amplo envolvimento da comunidade acadêmica

Nesta edição, a primeira presencial pós-covid-19, tiveram 1.535 inscrições em eventos a mais quando comparamos à Semana Universitária anterior, o que corresponde a um aumento de 104%

Data de publicação  19/12/2022, 13:00
Postagem Atualizada há 2 semanas
Saltar para o conteúdo da postagem
Mesa de Abertura da VIII Semana Universitária.

Mesa de Abertura da VIII Semana Universitária.

Auditório lotado mesmo em dia de jogo da Seleção Brasileira de Futebol pela Copa do Mundo e a apresentação de números consistentes, que comprovam o envolvimento da comunidade acadêmica, marcaram a VIII edição da Semana Universitária (Semuni), da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), que é, sem dúvida, o maior evento científico da instituição. Tudo isto sem perder um só minuto de vista seus valores e objetivos, que é, dentre outros, agregar as ações acadêmicas nas áreas de Ensino, Pesquisa e Extensão dos Campi do Ceará e da Bahia. Além, é claro, de representar, nas palavras da Pró-Reitora de Graduação (Prograd), Rosalina Semedo, “um espaço de reafirmação do compromisso da Universidade, enquanto Instituição de Ensino Superior internacionalizada com os nossos países parceiros ( Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste) e interiorizada, Maciço de Baturité e Recôncavo Baiano, possibilitando fomentar e produzir conhecimento, respeitando as diferenças e a diversidade de saberes, culturas e experiências, ao mesmo tempo em que convida a sociedade a unir-se a nossos/as servidores/as técnico-administrativos/as, docentes e discentes, por meio das atividades propostas”.

Segundo o Reitor da Unilab, Roque Albuquerque, o engajamento e a diversidade da produção científica refletem bem a importância e a dinâmica da Semuni. “Primeiro, a gente sempre precisa pensar na palavra engajamento. Quando você têm as pró-reitorias engajadas com coordenações, com direções, com estudantes, com apresentação de trabalhos, pesquisas, painéis… você dá uma dinâmica importante para a vida da universidade. E na verdade é a universidade como um display para que todos então veja o nosso campo de atuação, que aparentemente é invisível. Então, eu destaco que esse é o fator número um. O fator número dois foram os milhares de trabalhos que foram feitos. Isso reflete muito aquilo o que nós temos como vocação e é muito gratificante reconhecer e saber que nós vivemos numa comunidade multicultural, com epistemologia e uma ecologia de saberes admiráveis.”

Roque Albuquerque: Quando você têm as pró-reitorias engajadas com coordenações, com direções, com estudantes, com apresentação de trabalhos, pesquisas, painéis... você dá uma dinâmica importante para a vida da universidade.

Roque Albuquerque: “Quando você têm as pró-reitorias engajadas com coordenações, com direções, com estudantes, com apresentação de trabalhos, pesquisas, painéis… você dá uma dinâmica importante para a vida da universidade.”

Para a Diretora do Campus dos Malês, Mirian Reis, “a Semana Universitária funciona como uma grande vitrine, onde a comunidade universitária pode apresentar a sociedade um pouco dos trabalhos que realiza ao longo de todo o ano, por meio dos encontros em que acontecem as apresentações dos trabalhos acadêmicos, de iniciação científica, de pesquisa, apresentando também o conjunto de atividades culturais, nas quais a gente mostra um pouco do nosso modo de fazer Ciência, a partir da troca de experiências, da conexão entre os saberes tradicionais e os saberes científicos, promovendo outras formas de pensar a Universidade”

Apresentação Cultural.

Apresentação Cultural.

Realizada de forma híbrida, dividindo-se entre o presencial e o virtual após o longo período de pandemia, a VIII Semuni, que teve a Coordenação Geral da Prograd, consolidou números que refletem um somatório significativo de esforços, foram:

  • 82 eventos realizados, sendo:
    • 14 rodas de conversa;
    • 2 seminários;
    • 2 atividades culturais;
    • 4 palestras;
    • 12 minicursos;
    • 15 exposições;
    • 21 oficinas;
    • 1 curso;
    • 11 mesas redondas.
    • 3.000 inscrições em eventos;
    • + de 95% dos eventos cadastrados foram realizados;
    • 825 trabalhos submetidos nos 10 encontros, dos quais 458 resumos expandidos e 367 resumos simples;
    • + de 80% de trabalhos aprovados; (as avaliações ainda não encerraram).
    • 318 inscritos na VIII Semana Universitária.
  • 10 Encontros:
  • [Tiveram 1.535 inscrições em eventos a mais quando comparamos à Semana Universitária anterior, o que corresponde a um aumento de 104%].

Foi vivenciado, durante os quatro dias da VIII Semuni, um quantitativo e diversidade de trabalho que indica o empenho na construção de uma Universidade plural e polifônica. Aconteceram mais de 80 eventos; mais de 360 resumos simples, mais 450 resumos expandidos; 10 encontros, Cursos, Exposições, Mesas Redondas, Mini Cursos, Oficinas, Palestras, Rodas de conversas e Seminários.

Outro ponto que merece destaque nesta oitava edição é o trabalho em equipe. A VIII Semuni foi um evento construído coletivamente, feito a muitas mãos, com o empenho e a dedicação de diversos setores da Universidade. “Quero destacar a parceria e o apoio de todas as pró-reitorias em especial das outras duas pró-reitoras acadêmicas, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Proppg) e Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex), bem como, da Diretoria da Tecnologia da Informação (DTI) e da Secretaria de Comunicação Institucional (Secom), que não mediram esforços para ajudar a construir esse evento, além de todos que coordenaram as subcomissões de evento, monitoria, comunicação, TI, Científico e de eventos com tanto comprometimento”, ressaltou, em tom de agradecimento, Rosalina Semedo.

Rosalina Semedo, Pró-Reitora de Graduação: “o apoio do Magnífico Reitor, Roque Albuquerque por toda atenção dispensada para que esse evento se tornasse realidade. Nosso muito obrigada”

Rosalina Semedo, Pró-Reitora de Graduação: “Agradeço o apoio do Magnífico Reitor, Roque Albuquerque, por toda atenção dispensada para que esse evento se tornasse realidade. Nosso muito obrigada”

Segundo o coordenador de Arte e Cultura da Proex, Nixon Araújo, o sucesso desta edição está mesmo ligado ao esforço empreendido coletivamente, fazendo uma menção especial aos monitores. “Acredito que precisamos destacar a participação dos monitores na organização e execução da Semuni, sem a dinâmica, afinco e boa vontade deles muitas das ações não teriam ocorrido, muitos deles trabalharam nos três turnos com dedicação máxima para que tudo corresse bem. Desempenharam ações que iam desde a organização dos espaços, recepção dos participantes e dos palestrantes até a fotografia”, destacou Araújo.

Para Renato Paiva, um dos representantes da Proppg, a Semuni teve que enfrentar muitas dificuldades antes de chegar a estes números satisfatórios. “Como se sabe, a Semuni foi realizada no formato híbrido, que nunca tínhamos feito antes. Éramos acostumados com o formato presencial até 2019. Com o problema gerado pela pandemia de Covid-19, tivemos que nos reinventar e realizar todas as atividades (eventos e apresentação de trabalhos) no formato à distância. Foi complicado, mas conseguimos. Para esse ano, a coordenação geral da Semana Universitária ficou com a Pró-Reitoria de Graduação, que teve uma mudança de gestor no período próximo a realização do congresso. Isso foi determinante para o adiamento da Semuni, de junho para novembro”, explicou Paiva, que ainda destacou como o ponto positivo a inclusão do “Encontro Trabalho, Tecnologias, Inovação e Inclusão Produtiva”, organizado pela Professora Clébia, da Intesol. “Nessa primeira edição, esse encontro já teve mais de 50 trabalhos submetidos. Mais do que outros cinco encontros ‘veteranos’”.

A presença de nomes importantes do conhecimento científico tanto na abertura como no encerramento foi também outro ponto positivo. A palestra de abertura foi proferida pelo Secretário da Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Estado do Ceará, Carlos Décimo, que instigou o público a refletir sobre o lugar e o papel da Unilab enquanto universidade pública, de qualidade, internacional com os Palop, interiorizada, gratuita, laica, inclusiva para os historicamente excluídos: negros, indígenas, quilombolas, povos tradicionais, LBGTQIA+, pessoas com deficiência etc.  A palestra de encerramento da VIII Edição da Semana Universitária foi a realizada pela professora Concepta Margaret McManus Piemtel com o tema “A Internacionalização da Universidade Brasileira: Caminhos da Pós-Graduação”, que é sempre muito oportuno e caro a esta universidade internacional.

“Tudo o que aconteceu durante esses quatro dias permitiu que demonstrássemos o que conseguimos produzir durante o ano. E isto só foi possível graças ao trabalho incansável de uma comissão geral, que se desdobrou em subcomissões para melhor a organização dos trabalhos; pelo incentivo dos docentes aos nossos alunos para escreverem, submeterem e participarem desse evento; pelo envolvimento de toda a nossa comunidade acadêmica, todos os setores da universidade para estarmos aqui nesse ambiente, com a estrutura necessária para os eventos”, encerrou Semedo.

Categorias