Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Edição especial da 11ª Mostra Internacional do Cinema Negro ocorre na Unilab neste dia 10

Data de publicação  10/12/2014, 11:49
Postagem Atualizada há 7 anos
Saltar para o conteúdo da postagem
O cineasta Celso Prudente será homenageado na Unilab.

O cineasta Celso Prudente será homenageado na Unilab.

As atividades da terceira edição do Movimenta começam nesta quarta-feira (10) com uma edição especial da 11ª Mostra Internacional do Cinema Negro. Na programação, serão exibidos os filmes Som da raça, Papel Máquina, Dialética do Amor e Amor no Calhau, do cineasta Celso Luiz Prudente, curador da Mostra que será homenageado na Unilab. O evento ocorre às 18h30, no Anfiteatro do Campus da Liberdade, e é aberto ao público. A edição da Mostra na universidade é promovida pela Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex).

A Mostra Internacional do Cinema Negro é organizada pelo antropólogo, cineasta e professor da Universidade Federal de Mato Grosso, Celso Prudente. Em sua décima primeira edição, o evento acontece em São Paulo entre setembro de 2014 a julho de 2015, tendo como ponto alto o mês de novembro, em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra. De acordo com Celso, a Mostra surge a partir de uma necessidade de construção de espaços de discussões que respeitem à biodiversidade e à cultura dos povos asiáticos, ameríndios e africanos.

Também participam do evento nesta noite o professor da Universidade Federal de Roraima, Éder Rodrigues dos Santos, que coordena o Núcleo de Produção Digital da UFRR (NPD/RR). Éder é diretor de produção do filme “Som da Raça”, de Celso Prudente.

Confira a sinopse dos filmes que serão exibidos:

Som da raça
O filme aborda a sensibilidade africana na diáspora, por meio da música, fazendo um inventário da trajetória da consciência racial. Fenômeno dado pela tamboralidade, a cultura dimensionada pelo tambor enquanto que divindade na cosmovisão africana, em que o tambor representa o continente negro, o baixo primitivo com base no tambor expressa a diáspora africana e o piano sugere possibilidades de assimilação e a sofisticação da irreverencia como nuance revolucionária. De tal sorte que esse processo indica para a resistência e autonomia, na medida do resgate do tambor estabelece-se também o sentimento de retorno como afirmação de africanidade. Duração: 05min, 2014. Rodado em Boa Vista – Roraima, Brasil.

Papel Máquina
O filme dimensiona o pensamento do filósofo Jacques Derrida na obra homônima, intitulada Papel Máquina. Duração: 10min40seg, 2014. Rodado em Cuiabá – Mato Grosso, Brasil.

Dialética do Amor
Filme que trata da importância das viúvas dos ex-combatentes do processo revolucionário, na descolonização moçambicana. O filme é também uma apologia imagética a estátua orientadora do líder revolucionário Samora Machel, na praça da independência. Duração: 06min, 2012. Rodado em Maputo – Moçambique.

Amor no Calhau
O filme é um poema imagético que aborda traços do amor revolucionário na luta pela independência de Cabo Verde. Duração: 09min10seg, 1992. Rodado em Mindelo – Ilha de São Vicente, Cabo Verde.

Categorias