Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

No dia do poeta, o XI Festival das Culturas da Unilab diversificou em sua programação, com apresentação de cordel e oficinas culturais

Data de publicação  21/10/2022, 12:05
Postagem Atualizada há 4 semanas
Saltar para o conteúdo da postagem
Projeto Uniculturas – Oficina da tranças e penteados

No Dia Nacional do Poeta, comemorado a nível extraoficial no dia 20 de outubro, a sexta edição do Festival das Culturas da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) trouxe a poetisa  e cordelista, Artemiza Correia, natural de Ocara/CE, para apresentar suas obras aos alunos da rede estadual,  aos discentes universitários e servidores da Unilab que prestigiaram a intereção.

O evento, promovido pela Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex/Unilab), aconteceu nos novos espaços de cultura e eventos da Unilab: o Centro Cultural Carolina Maria de Jesus e do Sankofa Varandão Cultural, localizados no campus das Auroras, em frente ao Restaurante Universitário (RU).

Entre a leitura e exposição das inúmeras obras, com diferentes temas e contextos, Artemiza Correia narrou sua história e experiência de vida, os desafios e as conquista dessa profissão de dom e origem familiar, além de apresentar dicas para melhor produção dos cordéis.

Para escrever Cordel: “a gente tem que gostar muito, tem que ouvir, ler muitas obras, prestar atenção nas pessoas que o praticam, visitar lugares que divulgam. Botar uma ideia, vai procurando uma rima, vai escrevendo,  escrevendo, rabisca, rasga, joga fora, faz outra de novo.. até ficar do jeito que a gente gosta”, declarou Artemiza.

Artemiza Correia, poeta e cordelista cearense – Obra: Histórico da Aafroce (Academia Afrocearence de Letras)

Para o coordenador de Arte e Cultura da Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (CAC/Proex), Nixon Araújo, a participação da comunidade externa é fundamental para divulgação das atividades e projetos, além de promover a propagação do diversidade atuante da Unilab.

Segundo ele, esta edição do festival trouxe um edital específico com a distribuição de 150 bolsas remuneradas destinadas à participação de profissionais e estudantes na produção das apresentações individuais, coletivas, na ministração de cursos, oficinas, além da oferta de bolsas de monitoria. A exemplo da participação da cordelista Artemiza Correia que foi aprovada no referido edital, recebeu a bolsa remunerada para apresentar a oficina de cordel.

“É interessante os estudantes se apropriarem desse instrumento. Ocupar esse edital é tentar ter mais bolsas, ter mais tempo de bolsas para ajudar nas produções. Todo o Festival (produção, fotógrafos, audiovisuais, etc..) são feitos pelos estudantes. A intenção da Proex é que o festival seja construído, com maioria, pelos estudantes. É de suma importância para fortalecer o evento de dentro para fora”, explicou Nixon Araújo.

Artemiza Correia, cordelista e Nixon Araújo, coordenador da CAC/Proex

Prestigiando pela primeira vez o Festival das Culturas da Unilab, a professora das turmas de 6º ano da Escola Estadual de Ensino Fundamental II “Cecília Pereira”, Sandra Sales acompanhou o grupo de 57 alunos nas atividades de oficina da tranças e penteados do Grupo Uniculturas.

Sofre a participação no Festival, Sandra Sales declarou: “Interessante é essa da integração, é o momento que eles podem entrar em contato, de fato, com outras culturas. Eles estando mais perto, aguça o interesse com relação à pesquisa, interesse em conhecer os outros países, pelos costumes. Trazê-los para Unilab, saindo da escola, do ensino fundamental é abrir um leque na cabeça deles de oportunidades, onde eles vêem que podem chegar aqui, que a universidade está bem perto, já não tão distante. A universidade é um universo multicultural que eles podem trocar informações”.

“Ansiedade, interesse em aprender e praticar a dinâmica das tranças africanas”, sentimentos das alunas da Escola Cecília Pereira na Oficina do Uniculturas

Ainda neste dia, foi realizada a oficina de Graffiti com Edson Sagaz – artista plástico, produtor de eventos, professor, membro fundadores do grupo Suspeitos na Mira, um dos pioneiros do rap de Vitória/ES.

Oficina de Graffiti com Edson Sagaz, rapper, professor e membro do Suspeitos na Mira/ES

Sobre o Festival 

Nos dias 19 a 21 de outubro acontece, nos campi do Ceará, a sexta edição do Festival das Culturas da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), com o tema “Afeto como fio condutor de solidariedade”. No campus dos Malês, o evento – que aconteceria na mesma data – foi adiado em memória e em respeito ao estudante Dabana Victor Bedam.

Promovido pela Pró-Reitoria de Extensão, Arte e Cultura (Proex/Unilab), o evento se mostrou um esforço coletivo dos campi do Ceará e da Bahia, em conjunto com parceiros locais e instituições do poder público, que se reúnem para celebrar o fim do distanciamento social ao valorizar o afeto, promovendo a arte e cultura local, de comunidades originárias e dos países da integração lusófona.

Grupo Uniculturas – unidos pela Integração busca divulgar, valorizar e integrar as culturas dos países membros da Unilab: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, pautando-se em sete eixos temáticos: danças, desfile, teatro, poesias, músicas, palestras e minicursos.

Matérias relacionadas: VI Festival das Culturas da Unilab começa nesta quarta-feira (19) e terá inauguração do Centro Cultural Carolina Maria de Jesus

Categorias
Palavra-chave

CONTEÚDO RELACIONADO