Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Pesquisa da UFRB e Unilab foi capa de revista internacional sobre “Identificação e tratamento da Covid-19”

Data de publicação  06/07/2021, 10:52
Postagem Atualizada há 3 meses
Saltar para o conteúdo da postagem

A capa da revista internacional “Jornal of Computational Biophysics and Chemistry” teve como capa o artigo científico: “Molecular Docking Study of Antibiotics, Anti-Inflammatory Drugsand [Eu(TTA)3 AMX] Complex as COVID-19 Biomarker through Interaction of Its Main Protease (Mpro)”, produzido pelo Grupo de Materiais Fotônicos, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), em parceria do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar de Química (GIQ), da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab).

O artigo científico publicado em junho de 2021, no volume 20, número 4, na revista da empresa World Scienctific, tem a parceria especial dos professores:  Jorge Fernando Silva de Menezes (líder do Grupo de Pesquisa – GMF), Andrei Marcelino Sá Pires Silva, do Centro de Formação de Professores (CFP/UFRB) e Aluísio Marques da Fonseca (líder do Grupo Interdisciplinar em Química – GIQ), além dos pesquisadores/estudantes da Unilab: Francisco Aurecio Morais de Araújo (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica, coordenado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Pibic/Proppg) e Rubson Mateus Matos Carvalho (estudante do Mestrado Acadêmico em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis (Masts/Unilab), e vinculação à Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (​Funcap), órgão vinculado à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior).

Equipe de professores e pesquisadores dos grupos de pesquisa – GMF/UFRB e GIQ/Unilab

Para Aluísio Fonseca, químico e professor do Masts e do Mestrado Acadêmico em Energias e Ambiente (PGEA), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas e da Natureza (Icen/Unilab), o trabalho reflete a necessidade de contribuir com a ciência e unir estudos interdisciplinares que envolvem química orgânica, Química inorgânica e Química medicinal e computacional.

“Para os alunos foi um aprendizado para formação multidisciplinar e quem sabe uma perspectiva de linha de pesquisa futura, caso queiram dar prosseguimento. Para nós, como grupo, um resultado coletivo de duas instituições que querem dar suas contribuições à sociedade na luta contra esse vírus (Covid19), mesmo de forma virtual.” – Aluísio Fonseca.

Segundo o microbiologista, Rubson Carvalho, a crise do novo coronavírus é um tema de impacto global, que atinge a todos e de forma mais intensa nos países Lusófonos. O Sars-CoV-2 é um vírus altamente transmissível e capaz de levar a morte de pessoas em um curto período de tempo, isso exige uma resposta ainda mais rápida dos cientistas nos combate ao vírus. “Como pesquisador e estudante da Unilab, atuar no desenvolvimento de estratégias de inativação enzimática do vírus usando tecnologias já conhecidas é um processo fundamental para dar celeridade ao combate à crise sanitária em que vivemos ao servir como guia para o uso de medicamentos e antibióticos que já conhecemos”, afirmou o estudante do Masts/Unilab.

Componente do GIQ/Unilab, há mais de 3 anos, Aurecio de Araújo, atua na linha de pesquisa sobre Modelagem Molecular e Química Computacional, orientado pelo professor Aluísio Fonseca, diz ter ficado muito feliz por ter sido o primeiro a trabalhar com Química Computacional no grupo, que atualmente conta com alguns projetos e recebe 3 bolsas de fomento na temática. “Realizamos, na nossa instituição – Unilab, simulações com computadores e softwares específicos para cálculos, o que nos dá estimativas das energias livres de um sistema de interesse (valores teóricos) que se aproximam dos valores reais, minimizando os custos laboratoriais nas análises”, esclareceu o estudante-pesquisador.

Além disso, Aurecio explicou a vantagem da Modelagem Molecular, que mesmo em casa, “analisamos, simulamos e interpretamos os dados dos compostos frente à Covid-19. Assim, o trabalho é fruto da competência do grupo, da Unilab e das nossas parcerias com outras instituições”.

Resumo da pesquisa

Confira o Artigo Científico!

Coronavirus (SARS-CoV-2) é uma infecção viral muito recente e gerou um dos maiores problemas a nível mundial. Não há evidências científicas e ensaios clínicos que indiquem que seja possível as terapias e resultados têm demonstrado com sucesso o uso de imunização. Algumas substâncias estão sendo estudadas para serem aplicadas para conter sua propagação e danos adicionais. Este trabalho tem como objetivo realizar um estudo in silico de amoxicilina, amplamente conhecido como antibiótico, e usado para prevenir infecções bacterianas, podendo ser um possível biomarcador feito a partir do elemento Európio (Eu). Nas simulações, mostrou-se ter a capacidade de interagir com a proteína em Mpro protease da Covid-19 como ligante.

O estudo foi realizado utilizando o AutoDock Vina, com modelo algoritmo genético lamarckiano, combinado com a estimativa de energia baseada em grade em conformação rígida e flexível. Comparado com energia de afinidade, amoxicilina apresentou -7,7 kcal/mol, o que foi melhor do que seu ligante co-cristalizado no estudo. O complexo de európio, onde sua síntese também foi demonstrada neste trabalho, onde apresentou energia de -6,3 kcal/mol com ligações de hidrogênio e possível mudança de cor quando a luz UV foi aplicada. Para a escolha das melhores poses na simulação, o parâmetro da rede neural, NNScore2, foi usado também. Pode-se afirmar que este estudo ainda é introdutório, mas promissor tanto no tratamento e identificação do vírus.

Categorias
Palavras-chave

CONTEÚDO RELACIONADO