Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Oficinas, exposições e apresentações acontecem no I Festival das Culturas, no Campus dos Malês

Data de publicação  21/07/2016, 15:08
Postagem Atualizada há 4 anos
Saltar para o conteúdo da postagem

O Festival das Culturas no Campus dos Malês continua forte com diversas programações que englobam oficinas, exposições, apresentações, assim como oportunidades de economia criativa através da arte e de feira gastronômica. Na última quarta-feira (20), os participantes tiveram oportunidade de participar de oficinas que contribuíram para o conhecimento da vida acadêmica como, por exemplo, “Noções Básicas de Informática” e “Noções Básicas de Inglês”, além de oficinas de “Técnica para desenhar o corpo humano”, “Rap”, entre outras.

A oficina de “Noções Básicas de Informática”, ministrada pelo servidor da Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI), Alexandro Silvia, foi a campeã de inscrições. Nela foi possível compreender o potencial que a tecnologia tem de facilitar a vida acadêmica, com orientações que contribuem para o desenvolvimento do estudante. Para Alexandro, “foi uma oportunidade para mim e para os alunos, uma vez que foi possível compartilhar um pouco do conhecimento que tenho para melhorar as dificuldades que eles têm no contato com ferramentas que contribuem na vida acadêmica e profissional e isso foi o grande motivo do sucesso da oficina”, afirmou.

As exposições permanentes abrilhantaram o espaço com fotografias que representam a cultura da região. A exposição “Imagens Vivas”, dos estudantes da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), com curadoria das professoras Alene Lins e Jussiara Nogueira, reúne conjuntos temáticos de imagens do cotidiano e patrimônio, com registro de cenas do dia a dia das cidades do Recôncavo Baiano e de pessoas que representam patrimônio material e imaterial. O trabalho ficará exposto em todos os dias do evento.

No turno da tarde, programações de dança e performance animaram o “Palco Encontro”, no foyer da universidade. Tiveram apresentações de Maracatu, da cidade de São Sebastião do Passé; Danças africanas e afro-brasileiras, de estudantes da Unilab; Performance Corporal Cultural, dos alunos Ícaro Santos e Martin Shancar; Dança “Ganhadeiras, Maculelê e Puxada de Rede”, do Grupo Cordão Umbilical, da cidade de Candeias, entre outras apresentações. De acordo com Martin, do curso de Bacharelado em Humanidades (BHU), “hoje é o dia mais colorido desde que cheguei aqui. É bonito ver manifestações culturais através do teatro, da dança e de exposições. Está sendo uma oportunidade demostrar minha cultura, uma vez que vim do Sul da Bahia e trago no meu traje influências indígenas, ciganas e afro, com referência das aldeias que existem na região que minha família mora”, disse ele.

O Festival teve continuidade no turno da noite com uma palestra sobre “O Samba do Recôncavo Baiano”, ministrada pelos pesquisadores (a) Rosildo Rosário e Katharina Doring. Na sequencia, foi a vez do Sarau Cultural, coordenado pela professora Mirian Sumica.

Economia Criativa

Essa ação promovida pela Pró-Reitoria de Extensão arte e Cultura (Proex), está sendo também uma oportunidade de valorização da Economia Criativa. Estudantes e moradores de São Francisco do Conde/BA e de cidades vizinhas estão tendo oportunidade de mostrar seu trabalho, assim como vender sua produção que tem características da cultura da região e dos países parceiros da Unilab.

Caroline Lima, estudante de BHU, está com um estande de vendas de Abayomi, que são bonecas de pano amarrado. Segundo ela, “essas bonecas trazem histórias de mulheres negras na Diáspora e o Festival possibilita que demostremos outras formas de saberes, além da produção acadêmica. É um espaço de mostrar o que produzimos”, disse ela.

Entre outras exposições comerciais, Dona Jandira Souza, da cidade de Candeias, está aproveitando a oportunidade para vender blusas em crochê, sabonete com pintura, panos de prato, bolsas e toalhas. Para ela, “o Festival não está sendo apenas para vender, mas para aprender com a diversidade de manifestações culturais que estão acontecendo”, afirmou.

Programação – Festival das Culturas

BOTAO-AVALIE

Categorias
Palavras-chave

CONTEÚDO RELACIONADO