Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Universidade Brasileira alinhada à integração com os países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Conheça o curso de Engenharia de Alimentos, graduação mais recente da Unilab no Ceará

A aula magna do novo bacharelado aconteceu na última terça-feira, 05, no Campus das Auroras, em Redenção.

Data de publicação  08/04/2022, 12:01
Postagem Atualizada há 7 meses
Saltar para o conteúdo da postagem

O curso de Engenharia de Alimentos, graduação mais recentemente inaugurada na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab), nasce com uma “perspectiva multidisciplinar, na qual o alimento não tem apenas o papel de nutrir e cumprir funções fisiológicas, mas, pode ser compreendida como um ato social que incorpora multidimensões dos indivíduos e da sociedade”. Vinculado ao Instituto de Desenvolvimento Rural no campus do Ceará (o IDR, que também abriga a graduação em Agronomia e gere a Fazenda Experimental dos Piroás, com direção do professor Lucas Luz) , atualmente o curso tem coordenação interina da professora Jaqueline Sgarbi. Concebido na modalidade de Bacharelado, a nova graduação ocorre em tempo integral (matutino e vespertino) no Campus das Auroras (Redenção-CE), possuindo duração de 10 semestres e abrangendo 80 vagas anuais (distribuídas em duas entradas, 40 por semestre). Informações gerais sobre o novo curso podem ser consultadas na página da Engenharia de Alimentos, no portal da Unilab.

A princípio, o curso contará com o aporte dos laboratórios já existentes no Campus das Auroras, como os da Química e da Física, e também com a estrutura de novos laboratórios criados especialmente para a realidade da engenharia de alimentos: laboratórios de Análise de Alimentos, Análise Sensorial, de Pós-colheita, de Fitotecnia, de Processamento de Produtos e Laboratório do Leite.

Professora Fabiana Thomé ministrou a aula inaugural

A inauguração oficial do curso se deu na última terça-feira, 05, com aula magna da professora Fabiana Thomé discorrendo sobre o papel da Engenharia de Alimentos na construção de sistemas alimentares saudáveis, além de “mística” de abertura conduzida pelos estudantes. A mesa de autoridades foi composta por Roque Albuquerque, reitor da Unilab; Cláudia Carioca, vice-reitora; Geranilde Costa e Silva, pró-reitora de Graduação; Lucas Luz, diretor do IDR; Silas Primola Gomes, coordenador da graduação em Agronomia; Ana Carolina da Silva Pereira, representando a comissão de criação do curso; Jullie Ane Holanda, representante dos  servidores Técnicos Administrativos em Educação (TAE’s); Maria Josélia Gomes dos Santos, representante discente do Conselho do IDR, além, é claro, da própria coordenadora interina, a professora Jaqueline Sgarbi

Aula Inaugural do curso de Engenharia de Alimentos – mesa de abertura

Na ocasião, discorreu-se sobre o processo de criação do novo bacharelado, inicialmente oficializado pela portaria nº 19 de 21 de outubro de 2021 e da portaria nº02 de 10 de janeiro de 2020, tendo a sua comissão criadora presidida pela professora Ana Carolina da Silva Pereira e constituída, então, também pelas docentes Jaqueline Sgarbi, Socorro Rufino, Virna Braga, Clébia Freitas, Fernanda Scheneider, Daniela Zuliani e Josefranci Fonteles (IFCE). Essa comissão é responsável também pela elaboração do Projeto Político Pedagógico (PPP) do curso. A aprovação do curso foi definida pela resolução Consepe/Unilab nº89 de 16 de julho de 2021. 

Segundo o PPP, O curso de Engenharia de Alimentos da Unilab foi concebido “numa perspectiva inovadora, a partir da ideia de que não é possível obter novas respostas, se as perguntas formuladas são as mesmas”. Para o reitor Roque Albuquerque, o lançamento do curso é uma oportunidade para a universidade e para o Maciço de Baturité. “Precisamos de um curso de Nutrição, precisamos de um curso de Gastronomia, e agora tem um curso de Engenharia de Alimentos. Diante de muitas ações, a universidade – docentes, discentes e corpo técnico – estão de parabéns. (…) O agricultor precisa de técnicas para se tornar um empreendedor rural. (…) Estamos trabalhando da roça para a pesquisa!” destacou o professor Roque.

Professor Lucas Luz, diretor do IDR.

Já o professor Lucas Luz afirma, desde os primórdios do processo de criação do curso de Engenharia de Alimentos, que todas a graduações criadas no IDR precisam necessariamente seguir a lógica diferenciada do curso fundador do Instituto, a graduação em Agronomia, empreendendo uma “consciência social em vez de, apenas, consciência fitotécnica”. O diretor do IDR afirma que, através do novo curso, se pretende “criar toda uma nova categoria de engenharia de alimentos, que pense produtos industrializados mas sem conservantes químicos, menores quantidades de sal… Desenvolver a conservação de alimentos de forma mais natural”. 

Categorias
Palavras-chave

CONTEÚDO RELACIONADO